quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Semap 20 Mg 6 Cprs - Semap

Use os links abaixo para mais informações do medicamento

Semap 20 Mg 6 Cprs
Ofertas do produto: www.maispreco.com/semap-20-mg-6-cprs/2473/remedios.do
Outras apresentações: www.maispreco.com/remedios/semap.do
Laboratório: www.maispreco.com/janssen-cilag/49/laboratorio.do



Informações
Semap contém penfluridol, pertencente ao grupo das difenilbutilpiperidinas, com propriedades neurolépticas e uma longa duração de ação (uma semana) após administração oral.

Indicações
Nos sintomas psicóticos produtivos (alucinações, delírios, maneirismo e estereotipias), no autismo e apatia.

Contra Indicações
Semap não deve ser usado em distúrbios depressivos e síndrome de Parkinson. Semap é contra-indicado nas depressões do SNC e em estados comatosos. Não deve ser usado em pacientes com hipersensibilidade a qualquer um dos componentes da fórmula ou a qualquer derivado difenilbutilpiperidínico.

Reações Adversas
Os efeitos colaterais são raros e geralmente brandos. Efeitos neurológicos: Aparecem cerca de 4-6 horas após a administração da dose semanal e são mais pronunciados no dia seguinte. Normalmente diminuem em 48 horas e tendem a desaparecer espontaneamente dentro de 3 a 6 semanas, conforme o tratamento é continuado. Os sintomas extrapiramidais, que ocorrem devido ao bloqueio dopaminérgico, raramente aparecem em doses inferiores a 10 mg de Semap por semana. Com doses acima de 10 mg por semana, a ocorrência aumenta proporcionalmente à dose. As manifestações clínicas mais comuns desses sintomas são: Parkinsonismo: Bradicinesia, rigidez muscular, dificuldade para caminhar, ausência de expressão facial, tremor, micrografia. Distonia aguda ou discinesia: Torcicolo, trismo, crises oculógiras. Acatisia: Incapacidade de ficar parado. Os efeitos mais freqüentemente relatados são: inquietação e discinesia. Os sintomas parkinsonianos são diminuídos com administração de anticolinérgico ou, se possível, com a redução da dose. Discinesia tardia: Ver Precauções. Efeitos hormonais: Incluem hiperprolactinemia, que em alguns casos pode levar a galactorréia ou amenorréia. Síndrome neuroléptica maligna: Como ocorre com outros neurolépticos, em raros casos foi relatado este tipo de síndrome com Semap. Esta síndrome constitui uma resposta idiossincrásica desenvolvida rapidamente, caracterizada por hipertermia, rigidez muscular, instabilidade autonômica, alteração de consciência, coma e aumento nos níveis de CPK. Sinais de instabilidade autonômica tais como taquicardia, pressão arterial lábil e sudorese podem preceder a hipertermia, agindo como sinais de advertência. O tratamento antipsicótico deve ser interrompido imediatamente e instituídas terapia de suporte apropriada e cuidadosa monitorização do paciente. O dantrolene e a bromocriptina têm se mostrado eficazes no tratamento da síndrome neuroléptica maligna. Outros efeitos: Efeitos colaterais autonômicos, tais como distúrbios visuais e hipotensão, sintomas gastrintestinais, incluindo náuseas e vômito, podem ocorrer, principalmente no início do tratamento. Entretanto tais sintomas são raros. Fadiga, hipersalivação ou sudorese excessiva podem ocorrer no dia seguinte à administração da dose semanal de Semap. Outras observações incluem tontura, sonolência, cefaléia, reações cutâneas e ganho de peso. Depressão tem sido ocasionalmente reportada. Na maioria dos casos, a relação causal com Semap não é conhecida. Foram relatados casos isolados de alteração na função hepática e taquicardia benigna após a administração de neurolépticos.

Posologia
Semap é administrado oralmente uma vez por semana. Em pacientes que já estão recebendo medicação neuroléptica, sugere-se uma redução gradual da terapia existente, enquanto a dose inicial de Semap de 20 mg é aumentada gradualmente de acordo com os resultados obtidos. Dose inicial: Em pacientes que ainda não receberam qualquer medicação neuroléptica, 20 a 40 mg de Semap são administrados como dose inicial e adaptadas as dosagens de outros psicotrópicos sedativos, se for necessário combater a agitação psicomotora, ansiedade e insônia. Estes psicotrópicos adicionais podem ser progressivamente diminuídos e possivelmente interrompidos. Dose de manutenção: A dose semanal única de manutenção varia entre 20 e 60 mg (1 a 3 comprimidos), via oral. Tal dose deve ser tateada durante um período de tratamento entre 4 e 8 semanas, iniciando-se com 10 mg na primeira semana, sendo aumentada gradativamente. Alguns pacientes podem requerer doses maiores do que 60 mg, podendo-se, nestes casos, chegar a se atingir 100 mg, sem efeitos adversos. Nas psicoses crônicas brandas e estabilizadas, ou nos casos limítrofes (bordeline), doses semanais de 10 mg podem ser satisfatórias. Na terapia de substituição dos neurolépticos sedativos, a dose destes deve ser gradativamente reduzida, substituída por doses semanais crescentes de penfluridol, a partir de 10 mg. Ocasionalmente, alguns pacientes podem requerer uma maior ou menor necessidade de medicação sedativa adicional (como, por exemplo, uma administração à noite) durante o tratamento com Semap.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário