quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Remilev 250 Mg/60 Mg 10 Cprs - Remilev

Use os links abaixo para mais informações do medicamento

Remilev 250 Mg/60 Mg 10 Cprs
Ofertas do produto: www.maispreco.com/remilev-250-mg60-mg-10-cprs/14663/remedios.do
Outras apresentações: www.maispreco.com/remedios/remilev.do
Laboratório: www.maispreco.com/ache/3/laboratorio.do

Remilev 20 Cprs
Ofertas do produto: www.maispreco.com/remilev-20-cprs/9624/remedios.do
Outras apresentações: www.maispreco.com/remedios/remilev.do
Laboratório: www.maispreco.com/ache/3/laboratorio.do



Informações
Cada comprimido contém 250 mg de extrato seco de Valeriana officinalis L. (equivalente a no mínimo 0,375 mg de ácidos valerênicos totais) e 60 mg de extrato seco de Humulus lupulus L. (equivalente a no mínimo 0,06 mg de flavonóides) Remilev é um medicamento composto pela combinação fixa do extrato seco das raízes de Valeriana officinalis L. e dos estróbilos de Humulus lupulus L., resultando num princípio ativo complexo, com efeitos resultantes do sinergismo entre seus componentes, e diferenciando-se, portanto, dos efeitos atribuídos apenas aos seus constituintes isoladamente. A ação sedativa da valeriana resulta de sua interferência sobre os neurotransmissores cerebrais. Estudos experimentais demonstraram sua grande afinidade pelos receptores GABA-A. Da mesma forma, os flavonóides presentes na composição do lúpulo podem apresentar interações com esses receptores, provocando um efeito inibitório similar ao observado com os benzodiazepínicos. Além disso, uma possível ação de inibição do catabolismo central do GABA, aumentando sua disponibilidade na fenda sináptica, bem como a estimulação direta para a liberação desse mediador, foi demonstrada em estudos avaliando a ação farmacológica da valeriana. Recentemente demonstrou-se também a capacidade de interação da valeriana com o receptor de adenosina A1 na área colinérgica basal posterior cerebral, antagonizando os efeitos da adenosina, mediador que apresenta-se em níveis elevados em casos de insônia e de vigília prolongada. Em estudos in vitro, observou-se que a combinação de valeriana e lúpulo utilizada no extrato Ze 91019 também apresentou ação agonista parcial sobre os receptores de adenosina A1, o que pode determinar um importante efeito na indução do sono obtida pela medicação. De forma similar às observações realizadas com seus componentes isolados, o extrato Ze 91019 apresentou afinidade de ligação com os receptores de melatonina e serotonina, os quais apresentam relação não só com os distúrbios do sono, mas também com a performance cognitiva e com a modulação do ritmo circadiano. Assim, a ação do complexo resultante da associação de valeriana e lúpulo provavelmente se dá através de múltiplas interações com diversos receptores cerebrais, incluindo-se o GABA, adenosina, serotonina e melatonina, atuando diretamente nos mecanismos envolvidos com o controle do sono e cognição.

Indicações
Remilev é um medicamento fitoterápico indicado em casos de distúrbios do sono, tanto nas situações de dificuldade para iniciar o período de sono, bem como nas situações de sono interrompido, podendo ser utilizado também em casos de agitação, tensão emocional e irritabilidade.

Contra Indicações
Remilev é contra-indicado em pacientes com história de hipersensibilidade aos componentes de sua formulação. Dado a ausência de estudos clínicos avaliando sua utilização em pacientes portadores de insuficiência renal e disfunção hepática, a medicação não deve ser utilizada nessas situações. Remilev não deve ser utilizado durante a gravidez e lactação.

Advertências
Remilev mostrou-se bem tolerado nos estudos clínicos, não causando alterações no padrão natural do sono dos pacientes. Contudo, em decorrência de variações de sensibilidade individual, podem ocorrer sonolência e redução da habilidade de dirigir ou operar máquinas. Caso ocorra sonolência com o uso da medicação, recomenda-se evitar dirigir ou operar máquinas até reavaliação médica. Em caso de ocorrência de reações de hipersensibilidade, a medicação deverá ser descontinuada imediatamente até que possa ser feita uma avaliação médica. Remilev não deve ser administrado por qualquer outra via que não a via oral. Apesar de não haver relatos de interações com outras drogas, recomenda-se cuidadosa observação médica quando da utilização de Remilev com outros medicamentos de ação sobre o Sistema Nervoso Central. As doses de tratamento recomendadas não devem ser excedidas. Bebidas alcoólicas não devem ser utilizadas durante o tratamento com Remilev. Pacientes portadores de insuficiência renal e hepatopatias não devem utilizar a medicação.

Uso Na Gravidez
Remilev não deve ser utilizado durante a gravidez e lactação. Não há dados disponíveis para avaliar os efeitos da medicação em grávidas e lactantes, devendo-se evitar o uso dessa medicação nesse período, salvo sob orientação e supervisão médica.

Interações Medicamentosas
Não há interações conhecidas de Remilev com outros medicamentos, contudo, sua utilização concomitantemente com outros medicamentos depressores do Sistema Nervoso Central pode provocar efeitos aditivos, recomendando-se cuidadosa monitorização dos pacientes em tal situação.

Reações Adversas
Remilev mostra-se bem tolerado na grande maioria dos casos. Em estudo multicêntrico com 3447 pacientes, a tolerabilidade foi considerada boa ou muito boa em 98,2% dos casos, sendo registradas reações adversas em apenas 0,5% dos casos. Embora os estudos com a medicação não tenham demonstrado a ocorrência de sonolência ou diminuição da atenção, tais sintomas eventualmente podem ocorrer em função da variação de sensibilidade individual. Distúrbios gástricos podem ocorrer raramente com o uso da medicação.

Posologia
Adultos e adolescentes acima de 12 anos Nos casos de distúrbios de sono, recomenda-se tomar 2 comprimidos uma hora antes de deitar. Se necessário, a dose pode ser aumentada para 3 comprimidos. Não há restrições para a duração do tratamento, não sendo relatados fenômenos de tolerância e dependência com o tratamento. Em pacientes idosos, a mesma orientação posológica pode ser seguida. Nos casos de tensão, agitação e irritabilidade, tomar 1 comprimido até 3 vezes ao dia.

Superdosagem
Em casos de superdosagem acidental, recomenda-se procurar auxílio médico, seguindo-se os procedimentos usuais, ou seja, lavagem gástrica (quando indicada), tratamento de apoio e observação cuidadosa. A utilização de doses muito altas de valeriana (aproximadamente 20 gramas) pode causar sintomas benignos (fadiga, cólicas abdominais, taquipnéia, fotofobia, tremor de mãos e midríase), os quais tendem a desaparecer dentro de 24 horas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário